Postagens

Mostrando postagens de 2008

TÉCNICO EM MEIO AMBIENTE E GESTÃO DO AGRONEGÓCIO DO CEFET-RP VISITAM O PARQUE ESTADUAL DO IBITIPOCA

Imagem
* Por Maurício Novaes Souza


Nos dias 14 a 17 de outubro um grupo de alunos dos cursos Técnico em Meio Ambiente e Gestão do Agronegócio, sob a coordenação do Professor Maurício Novaes, do CEFET-RP, estiveram em viagem técnica no Parque Estadual do Ibitipoca.









O parque foi criado com o objetivo de garantir a preservação de ecossistemas, possibilitar a realização de estudos e pesquisas científicas e oferecer condições para o turismo e a conscientização ambiental. O Parque do Ibitipoca possui uma beleza exótica e um alto índice de biodiversidade em seus 1488 hectares. Possui ecossistemas diversos, como os campos rupestres, o cerrado e a Mata Atlântica - uma verdadeira preciosidade incrustada num dos pontos mais altos da Serra da Mantiqueira. O parque foi criado em 04/07/1973 e administrado pelo Instituto Estadual de Florestas de Minas Gerais (IEF). É o habitat natural de espécies em extinção: Bugios e Barbados, Onça Parda, Lobos-Guará, Candeias (árvore tradicional do Parque), Bromélias e Orqu…

Uso abusivo e danos ambientais das sacolas plásticas

* Por Maurício Novaes Souza
A preocupação com as questões ambientais vem aumentando consideravelmente nas duas últimas décadas. Em todo o mundo, governos, cidadãos e empresas têm-se empenhado em reduzir os impactos das atividades humanas sobre a natureza. No Brasil, começou a ganhar vulto a discussão sobre os impactos do uso excessivo das sacolas e sacos plásticos.
Segundo especialistas, o uso dessas embalagens tem provocado danos ambientais expressivos. Em todo o mundo, desde que foram inseridas no mercado na década de 1980, as sacolas plásticas acumulam-se no planeta, sem terem muita utilidade de reciclagem, pois o plástico deste material é muito barato. O Brasil produz em média cerca de 210 mil toneladas de saquinhos plásticos. O número representa cerca de 10% do lixo do país, sendo que os aterros ou lixões estão no total limite.
Soma-se a esse problema, o hábito do povo brasileiro, que na labuta de economizar, reutiliza as sacolas plásticas como forma de abrigar os lixos domésticos. …

Desperdício de papel e medidas para o uso racional

* Por Maurício Novaes Souza
Entre as questões ambientais, um dos maiores problemas verificados na atualidade é a geração de um grande volume de resíduos. Isto se deve ao incentivo desenfreado do consumo de produtos típicos da vida moderna, que acabam poluindo o solo e os rios como conseqüência de sua disposição final inadequada. Tal crescimento é verificado em todos os setores, sendo que o descarte de papel é o que vem apresentando maiores índices de crescimento.
Tem-se verificado que o desperdício de papel nos escritórios pode ser facilmente observado nas salas onde ficam as impressoras e o “xérox”. Muitas vezes se vêem cópias minimamente defeituosas ou folhas apenas com o nome do usuário da rede que mandou imprimir seus relatórios ou trabalhos. No Brasil, e em todo o mundo, a quantidade de folhas jogadas diariamente no lixo é assustadora. Maior ainda é a surpresa ao sabermos que praticamente nada é reciclado.
Para se produzir uma tonelada de papel virgem é utilizada 15 árvores e consum…

Desafios atuais para a formação do profissional em meio ambiente

Por Maurício Novaes Souza*

Atualmente muito se fala em Desenvolvimento Sustentável. Contudo, para alcançá-lo, é necessário que sejam criadas tecnologias apropriadas e pessoal competente para gerenciá-las: as atividades comerciais e industriais mundiais e brasileiras estão conscientes da necessidade de adotarem práticas de gestão ambiental e pretendem ampliar seus investimentos destinados à proteção do meio ambiente.
Isto de deve principalmente às profundas transformações do modelo econômico decorrentes da reestruturação produtiva, da integração mundial dos mercados financeiros, da internacionalização das economias, da desregulamentação e abertura dos mercados, com a quebra de barreiras protecionistas, em suas causas e conseqüências político-sociais. Tais mudanças vêm atingindo, de forma acelerada e diferenciada, sobretudo na última década do século passado e nos primeiros sete anos desse século XXI, amplos setores da população trabalhadora e os donos de empresas/indústrias.
No caso brasi…

Urbanização, Poluição Hídrica e Saneamento Ambiental: um caso de saúde pública

Por Maurício Novaes Souza*

O crescimento urbano e industrial nem sempre significa desenvolvimento humano: particularmente nos países em industrialização, vem acompanhado de desigualdade de acesso aos itens básicos necessários a uma sobrevivência digna, tais como o acesso à educação, à alimentação e à saúde. O acesso da população à saúde passa, incondicionalmente, pelo binômio abastecimento de água/saneamento básico.
Contudo, o que se tem verificado, é a ausência do planejamento territorial das áreas a serem ocupadas. Nos países em desenvolvimento, como o Brasil, a taxa de crescimento anual da população urbana chega aos 3,5%, vindo acompanhada de realidades preocupantes. Uma delas é a formação de cinturões de pobreza, como nos municípios de Angra dos Reis e Paraty, dada à carência de serviços de infra-estrutura e de moradia adequada a um nível mínimo de condições de vida.
Dessa forma, a falta do saneamento nas cidades, em níveis mínimos que assegurem o bem-estar das populações…

Desenvolvimento Sustentável: aspectos sociais, ambientais e econômicos

Por Maurício Novaes Souza*

Durante a ECO 92, realizada no Rio de Janeiro em 1992, ocorreram discussões sobre as atividades e mecanismos econômicos capazes de produzirem impactos ambientais e destruírem os recursos naturais. O documento denominado Agenda 21 é resultante dessas discussões, contendo inúmeras recomendações: inclusive aquelas que enfatizam a importância dos governos e organismos financeiros internacionais priorizarem políticas econômicas para estimular a sustentabilidade por meio da taxação do uso indiscriminado dos recursos naturais, da poluição e despejo de resíduos, da eliminação de subsídios que favoreçam a degradação ambiental e da contabilização de custos ambientais e de saúde.
Contudo, percebe-se que as propriedades rurais, os centros urbanos - indústria, comércio e a comunidade, não estão aproveitando efetivamente seus recursos, tais como seu potencial de transformação dos produtos agropecuários, da matéria-prima florestal e agroflorestal, e da administração de seus …

A crise energética e a radiação solar

* Por Maurício Novaes Souza

O mundo vive nova crise energética e um agravamento dos problemas ambientais. O petróleo e o carvão atingiram a maior cotação de toda a história da humanidade. Dessa forma, a exploração intensiva das reservas não renováveis de combustíveis fósseis e os prejuízos ambientais trazidos pelo uso desses recursos energéticos pressupõem um cenário preocupante para esse século. Nesse contexto, assume crucial importância a busca de fontes de energia alternativas, em especial renováveis e não-poluentes, como a solar e a eólica – ainda mais quando se sabe que o Sol é a principal fonte de energia para a superfície da Terra.
O interesse pela utilização da radiação solar como fonte de energia alternativa cresceu muito nas duas últimas décadas, por razões econômicas, principalmente após a crise do petróleo de 1973, quando os estudos nessa área receberam grande impulso nos Estados Unidos e na Europa. Hoje, esse interesse está adquirindo maior dimensão, abrangendo não só o apr…

A crise da água: fatos e atitudes necessárias ao Desenvolvimento Sustentável

Por Maurício Novaes Souza*

A humanidade vem enfrentando problemas de degradação ambiental que remontam no tempo. Entretanto, tem-se verificado a partir da década de 1960, em função dos modos de produção, de crescimento e de desenvolvimento praticados, que os recursos naturais, como a água, vem se tornando um fator cada vez mais crítico para o desenvolvimento econômico e social de longo prazo, bem como para a sustentabilidade ambiental.
Há décadas recentemente passadas, o meio ambiente era capaz de desempenhar sua função autodepuradora com eficiência. Nos dias atuais, encontra-se excessivamente sobrecarregado pelas atividades humanas. Percebe-se, assim, que o mundo poderá experimentar uma escassez de recursos hídricos sem precedentes em um futuro próximo, a menos que os padrões de desenvolvimento comecem a ser alterados e o ser humano modifique o seu comportamento no que se refere ao uso e ao consumo desse recurso natural.
Sabe-se que as visões sobre a água são mul…

AGRONEGÓCIO: exportação e transposição de água virtual

*Maurício Novaes Souza
**Maria de Fátima Vieira Aguiar

A população deve refletir quando a mídia divulga que a “escassez de água potável” se deve ao fato da necessidade do aumento da produção de alimentos para abastecer o crescente mercado mundial ou que a população menos favorecida é a responsável pelo desperdício e degradação do recurso hídrico. É certo que o Brasil é detentor de grandes bacias hidrográficas, mas como suas águas vêm sendo utilizadas?
A inconsciência social é externalizada pelos cidadãos à medida que, privados de seus direitos, apesar de constar na Constituição de 1988, em seu artigo quinto, são excluídos de benefícios que deveriam ser partilhados. Este fato se deve em conseqüência de uma política oligárquica, onde lhes são apresentadas meias-verdades. Sendo assim, homem não se reconhece mais parte da natureza, nem como produtor, mas como uma máquina. Torna-se difícil identificar a origem da degradação, à medida que o homem sobre pressão, persuasão e violência das mais v…

POLUIÇÃO URBANA: contribuição da educação ambiental

* Por Maurício Novaes Souza

Dia 14 de agosto foi escolhido o "Dia de Combate à Poluição". Sem dúvida, atualmente, há motivos suficientes para se ter uma data para esse fim. O aumento populacional, a crescente atividade industrial, a falta de saneamento, as queimadas e o aumento do número de veículos automotores nas regiões urbanas têm contribuído para o aumento da poluição. Conseqüentemente, a degradação da natureza, especialmente nas últimas décadas, tem sido enorme e começa a causar dificuldades no cotidiano do próprio homem.
O Brasil tem grande participação na degradação de seus recursos naturais e de seu meio ambiente: os ecossistemas aquáticos estão contaminados por agroquímicos; a população rural e urbana consome alimentos cada vez mais contaminados; o ar das grandes cidades é poluído e se desperdiça energia pelo uso de tecnologias inapropriadas; as florestas vêm sendo devastadas sem controle em nome de um projeto de desenvolvimento questionável, que afeta diretamente a …

POLUIÇÃO URBANA

* Por Maurício Novaes Souza

Dia 14 de agosto foi escolhido o "Dia de Combate à Poluição". Sem dúvida, atualmente, há motivos suficientes para se ter uma data para esse fim. O aumento populacional, a crescente atividade industrial, a falta de saneamento, as queimadas e o aumento do número de veículos automotores nas regiões urbanas têm contribuído para o aumento da poluição. Conseqüentemente, a degradação da natureza, especialmente nas últimas décadas, tem sido enorme e começa a causar dificuldades no cotidiano do próprio homem.
O Brasil tem grande participação na degradação de seus recursos naturais e de seu meio ambiente: os ecossistemas aquáticos estão contaminados por agroquímicos; a população rural e urbana consome alimentos cada vez mais contaminados; o ar das grandes cidades é poluído e se desperdiça energia pelo uso de tecnologias inapropriadas; as florestas vêm sendo devastadas sem controle em nome de um projeto de desenvolvimento questionável, que afeta diretamente a …

Setor Florestal e Atividades Silviculturais

* Por Maurício Novaes Souza

O Brasil tem a maior floresta tropical do mundo, possui a maior diversidade vegetal do planeta e a abundância de terras cria condições ideais para plantações silvícolas. Entretanto, apesar dessa situação, não tem madeira suficiente para atender à sua demanda, correndo o risco de sofrer um “apagão florestal”, que poderá impor ao país a necessidade de importação madeira. Nesse contexto, impõe-se a ampliação da área de plantio e, ou, o aumento de produtividade das florestas plantadas, cabendo considerar, contudo, que há uma percepção difusa por parte da sociedade no sentido de que as áreas disponíveis para o plantio devem ser priorizadas para a agricultura, visando à produção de alimentos.
Na verdade, o rápido crescimento da população mundial levou à necessidade de grandes incrementos da produção agropecuária, além de outras atividades, os quais vêm sendo obtidos por meio da aplicação intensiva de novas tecnologias e pela conquista de novas fronteiras. Contudo, …

Exportação: processo de transposição da água virtual como meio de geração de divisas.

*Maurício Novaes Souza
**Maria de Fátima Vieira Aguiar

RESUMO
A falta de informação sobre o processo de produção que envolve a água virtual é o fundamento primordial onde se questiona o apelo à exportação, na qual o objetivo é a geração de divisas. O custo-benefício será refletido dentro da pesquisa, alertando ao leitor sobre o que realmente significa a escassez do recurso água. O processo no qual ocorre o ciclo hidrológico para manutenção da água deverá ser observado dentro de um contexto que envolverá a conscientização para a necessidade do reflorestamento, da conservação das nascentes e do conhecimento do processo de evapotranspiração das florestas. Constatamos que a sociedade de um modo geral, está sendo induzida a considerar-se responsável pela escassez da água, pelo mau uso e descarte de forma incorreta, o que não procede. O homem não se reconhece mais parte da natureza, nem como produtor e sim como uma máquina. Adota-se uma política ideológica onde a intenção é camuflar a verdadei…