A importância do manejo de microbacias hidrográficas


*Díeny Aparecida Tuler Vieira

Introdução

A idéia de bacia hidrográfica está associada à noção da existência de nascentes, divisores de águas e características dos cursos de água, principais e secundários, denominados afluentes e subafluentes, ou um conjunto de terras drenadas por um rio principal, seus afluentes e subafluentes.

Uma bacia hidrográfica evidencia a hierarquização dos rios, ou seja, a organização natural por ordem de menor volume para os mais caudalosos, que vai das partes mais altas para as mais baixas.

As bacias podem ser classificadas de acordo com sua importância, como principais (as que abrigam os rios de maior porte), secundárias e terciárias; segundo sua localização, como litorâneas ou interiores. Em bacias de inclinação acentuada o processo de busca do perfil de equilíbrio fluvial tende a estreitar a área da bacia. De forma contrária, bacias de inclinação baixa tendem a ser mais largas.

Desenvolvimento

No Brasil existem diversas bacias hidrográficas importantes, tais como: Amazonas, Paraná, Paraguai, São Francisco, Araguaia, Tocantins, Iguaçu, entre outras. Também no Estado de São Paulo existem diversas bacias hidrográficas, sendo as principais: Tietê, Paraíba do Sul, Ribeira do Iguape, Paranapanema, Grande, entre outras.

Cada bacia tem condições específicas de clima, relevo, vegetação, etc., que determinam as condições do ciclo da água. Por sua vez, a gestão de uma bacia hidrográfica é parte de um conceito mais amplo que se denomina de ordenação ambiental do território e que inclui todos os elementos de manejo dos ecossistemas em uma visão integral para o desenvolvimento sustentável, a água é indispensável para a manutenção dos ecossistemas, devemos manejá-la de maneira integra.

O critério de manejo de bacias nos leva a trabalhar naquilo que alguns denominam a unidade ecológica menor, onde se realiza o ciclo da água. Por isso, é importante ter claras as múltiplas relações que existem nestas unidades e das quais depende o bom manejo da água; e, consequentemente, a possibilidade de relacionarmos adequadamente com a base de vida, a necessidade de promover a recuperação ambiental e a manutenção de recursos naturais escassos como a água, fez com que, a partir da década de 70, o conceito de bacia hidrográfica passasse a ser difundido e consolidado no mundo.

Para enfrentar problemas como poluição, escassez e conflitos pelo uso da água, foi preciso reconhecer a bacia hidrográfica como um sistema ecológico, que abrange todos os organismos que funcionam em conjunto numa dada área e entender como os recursos naturais estão interligados e são dependentes, ou seja, quando o curso de um rio é alterado para levar esgotos para longe de uma determinada área, acaba por poluir outra, da mesma forma, a impermeabilização do solo em uma região provoca o escoamento de águas para outra, que passa a sofrer com enchentes.

Diante de exemplos como esses, tornou-se necessário reconhecer na dinâmica das águas, que os limites geográficos para trabalhar o equilíbrio ecológico têm que ser o da bacia hidrográfica; ou seja, o espaço territorial determinado e definido pelo escoamento, drenagem e influência da água, do ciclo hidrológico na superfície da Terra e não aquelas divisões políticas definidas pela sociedade, como municípios, Estados e países, que não comportam a dinâmica da natureza.

Desde que o homem passou viver em sociedades organizadas e reconheceu a importância de controlar a disponibilidade de água potável, surgiram as primeiras tentativas da humanidade de modificar o ambiente natural. O desenvolvimento de atividades como a agricultura e a urbanização sempre estiveram ligados ao controle da água.

Conclusão

Todo desenvolvimento de regiões urbanizadas e rurais é definido de acordo com a disponibilidade das águas doces, ou seja, sua quantidade e qualidade. Portanto, para promover o desenvolvimento sustentável e o intercâmbio entre regiões com interesses comuns, ou entre as que brigam pelo direito de utilizar a água para determinado fim, foi preciso reconhecer e adotar o conceito de bacia hidrográfica em todo o mundo e preservar essas bacias.

Referências bibliográficas:

- Disponível em: www.planetaorganico.com.br/entrev-microbacia.htm. Acessado dia 05 de outubro de 2011.


- Disponível em :www.ipef.br/hidrologia/mataciliar.asp. Acessado dia 05 de outubro de 2011.


- Disponível em :www.itcp.coppe.ufrj.br/intranet/microbacias/porciuncula.pdf. Acessado dia 05 de outubro de 2011.

Nome: Díeny Aparecida Tuler Vieira

Curso: Agroecologia 6º P

Diciplina: Manejo de microbacias hidrográficas

Professor: Maurício Novaes Souza.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha: Sapiens - uma breve história da humanidade

O QUE É GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E QUAL A RELAÇÃO COM O TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO?