Jardins Filtrantes

Disciplina: Saneamento Ambiental e Rural
Prof.: Maurício Novaes
Nome: Débora Nery Pessamiglio
Agroecologia – 7 0 Período



Mini-Projeto Jardins Filtrantes

Situação
A produção de esgoto produzido pela sociedade, tanto em ambiente urbano quanto em área rural gera a chamada água negra, a qual é altamente contaminante do solo e lençol freático. Geralmente esse esgoto é lançado diretamente no curso d’água ou “despejado” em canaletas e fossas negras, sem nenhum tipo de tratamento e consequentemente ocasionando grande quantidade de resíduo poluente no ambiente. Diante disso, foi desenvolvido o jardim filtrante, que inclui a fossa séptica biodigestora e o clorador Embrapa, tecnologia essa que surgiu para auxiliar o saneamento básico da área rural.

Objetivo Geral
Transformar o esgoto doméstico da área rural em adubo orgânico: promover o saneamento básico e proteger o meio ambiente.

Objetivos Específicos
- Destinar adequadamente o esgoto humano;
- Tratar da água cinza residual, provenientes de pias, tanques, chuveiros e o efluente tratado da fossa;
- Produzir adubo orgânico com o esgoto doméstico;
- Conceder à população rural condições de saneamento básico melhorando sua qualidade de vida;
- Promover a descontaminação das águas e solos já que o esgoto não mais será lançado sobre tais áreas;
- Proteger o ambiente; e
- Reduzir gastos das famílias com insumos.

Justificativa
Pelo fato da fossa séptica tratar somente do esgoto humano, toda a água eliminada de instalações como chuveiros, pias e tanques, a chamada água cinza, não possui um destino adequado, pois a mesma carrega consigo sabões, detergentes e ainda restos de comida e gordura. Para solucionar tal questão, o jardim filtrante surgiu para destinar de forma adequada esses resíduos.

Material e Métodos
Para a fossa séptica biodigestora serão construídos buracos no chão onde serão colocados caixas de fibra de vidro de maneira que fiquem praticamente enterradas no chão. Acoplados a tais caixas estarão canos que servirão de tubulação por onde passará o esgoto doméstico desviado do vaso sanitário. O adubo orgânico gerado pela fossa séptica biodigestora deve ser aplicado somente no solo, em pomares e outras plantas onde o biofertilizante não entre em contato direto com alimentos que sejam ingeridos crus.
Já o clorador Embrapa é um complemento do sistema de saneamento básico na área rural. Para construí-lo serão utilizadas peças e conexões encontradas em casas de material de construção, e será instalado entre a captação de água e o reservatório. Para clorar a água é preciso colocar uma colher rasa de café, de hipoclorito de cálcio, no receptor de cloro. Depois de 30 minutos, a água já está clorada, livre de germes e pronta para beber.
A etapa do jardim filtrante será feita seguindo primeiramente a ordem da escolha para o local de instalação. Em seguida, será aberta uma cova com dez metros quadrados com seu fundo devendo ser impermeabilizado com uma geomembrana de polietileno de alta densidade ou equivalente, preferencialmente protegida por mantas de bidim.
O esgoto passará primeiramente por uma caixa de retenção de sólidos e uma caixa de gordura antes de entrar no jardim filtrante e a saída do líquido tratado ocorre por uma tubulação em forma de cachimbo, a qual também regula o nível da água no jardim. A entrada e a saída serão instaladas em pontos opostos da caixa.
O local do jardim filtrante será preenchido com brita e areia grossa. Após essa etapa, será feita uma pequena curva de nível em torno do jardim, sob a geomembrana e o bidim, objetivando evitar a entrada de enxurrada no sistema. O penúltimo passo é colocar a água. O jardim filtrante deve ficar saturado com água, porém evitando a formação de lâmina d´água.
O último passo é a inserção de plantas macrófitas aquáticas, pois são elas que irão retirar nutrientes da água para depurá-la e proporcionar um ambiente visualmente agradável.
Para embelezar o sistema, podem ser colocadas flores que suportem o meio saturado, justificando seu nome: “Jardim Filtrante”.

Resultados Efetivos
Trabalhos já realizados com a implantação de jardins filtrantes em propriedades rurais mostraram os excelentes resultados obtidos, pois o esgoto doméstico recebe um destino adequado de maneira a tratá-lo e ainda possibilitando a utilização do adubo gerado após o tratamento do resíduo, além da despoluição do ambiente.

Considerações Finais

A utilização de jardins filtrantes em propriedades rurais é uma excelente alternativa para tratar do esgoto doméstico, gerar adubo, evitar a contaminação do solo e água, conceder à população saneamento básico, além de ainda promover um ambiente bonito e agradável pela presença das flores no sistema.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUALIDADE DE SILAGEM DE PLANTA INTEIRA DE MILHO