Pecuária Produtiva e Sustentável


* por Diana Carla Fernandes Oliveira e Gabriela Peluso Demartini


A pecuária brasileira é a mais competitiva do mundo, e pode ser ainda mais. Principalmente se houver recuperação de pastagens degradadas, uso racional dos recursos, manejo adequado e maior concentração de cabeças por hectare.  Essa competitividade esta justamente por ser extensiva, com enorme quantidade de pastagem, alimentar o gado com capim e com isto ter um menor custo de produção que outros países que têm com base o confinamento.
            Atualmente, diante de um cenário mundial que reúne de um lado, uma crescente necessidade de ampliação na produção de alimentos, e de outro, o avanço de problemas ambientais, exigindo a adoção de práticas sustentáveis como o desenvolvimento de energias renováveis e a preservação de florestas, a pecuária brasileira precisa mudar sua forma de atuação. Basta aperfeiçoar nosso modelo, contando com o aperfeiçoamento genético, técnico e de gestão, assim, nosso gado tornará mais competitivo e atenderá as exigências do mercado em que diz respeito à sustentabilidade.
            O emprego da pecuária produtiva, além de garantir a preservação do meio ambiente, possibilita mais qualidade e competitividade aos produtos. Com uma gestão responsável, o produtor tem em mãos uma ferramenta a mais para atender às exigências dos importadores e consumidores quanto à garantia da qualidade e sanidade dos alimentos. O conceito envolve mudanças de hábitos, de práticas de manejo e exige investimentos, sendo fundamental o incentivo de desenvolvimento de mecanismos.

            Segundo a revista “Panorama Rural”, o pecuarista por meio da Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária), receberá conhecimentos técnicos sobre manejo adequado do solo, variedades de capim, leguminosas para rotação de culturas e alimentação complementar do gado. O trabalho de conscientização é fundamental. É preciso que o pecuarista passe a ter a convicção de que ele pode aumentar consideravelmente sua produção de carne de forma economicamente viável sem derrubar áreas de florestas. Quando o pecuarista perceber que a atividade sustentável faz bem ao ambiente, e ao bolso, não vai querer outra prática.

* alunas da disciplina AGROMETEOROLOGIA, coordenada pelo Professor Maurício Novaes, do curso de Zootecnia do IF SUDESTE DE MINAS campus RIO POMBA, 2011.

Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

QUALIDADE DE SILAGEM DE PLANTA INTEIRA DE MILHO