Postagens

Mostrando postagens de Janeiro, 2010

O mercado de trabalho e o ambiente: novos desafios para a formação profissional

Por Maurício Novaes Souza*

Os esforços mundiais estão voltados à busca de um modelo de produção que promova o “Desenvolvimento Sustentável”. Contudo, para alcançá-lo, é necessário que sejam criadas não apenas tecnologias limpas e apropriadas, mas é fundamental que se preparem pessoas competentes para gerenciá-las, capazes de promoverem um contexto de maior responsabilidade social e ambiental. Para isso, as empresas devem estar conscientes da necessidade de adotar práticas de gestão ambiental.
Tal fato se deve, principalmente, às profundas transformações do modelo econômico decorrentes da reestruturação produtiva, da integração mundial dos mercados financeiros, da internacionalização das economias, da desregulamentação e abertura dos mercados, com a quebra de barreiras protecionistas, em suas causas e conseqüências político-sociais. Tais mudanças vêm atingindo, de forma acelerada e diferenciada, sobretudo nas duas últimas décadas, amplos setores da população trabalhadora e os donos de em…

Mudanças Climáticas, Agroecologia e Desenvolvimento Sustentável

*por Maurício Novaes Souza1 e Wantuelfer Fernandes Gonçalves2

A revista “Veja” lançou uma edição especial, no final de 2009, intitulada “O ano zero da economia sustentável”. De fato, a revista é muito interessante e, não intencionalmente, faz um diagnóstico da sociedade atual em relação ao tema (que poderia ter o título substituído por “conhecimento zero da economia sustentável”). Além disso, conforme sugere o título, aponta que em anos recentes, principalmente nas duas últimas décadas de pesquisa e desenvolvimento de tecnologias limpas, deram origem a uma nova linha de pensamento e comportamento, que sugerem, ou possibilitam, o fim da relação dicotômica economia e ecologia. Mas será que, de fato, depois de todos esses acontecimentos recentes na política, na economia, nas atividades agroindustriais, entre tantos outros, estamos caminhando para um modelo direcionado ao desenvolvimento sustentável? Nas áreas urbanas e rurais?
Para quem é da área rural, pode-se per…

Produção Agroecológica e Desenvolvimento Rural Sustentável

*por Maurício Novaes Souza1 e Wantuelfer Fernandes Gonçalves2

A revista “Veja” lançou uma edição especial, no final de 2009, intitulada “O ano zero da economia sustentável”. De fato, a revista é muito interessante e, não intencionalmente, faz um diagnóstico da sociedade atual em relação ao tema (que poderia ter o título substituído por “conhecimento zero da economia sustentável”). Além disso, conforme sugere o título, aponta que em anos recentes, principalmente nas duas últimas décadas de pesquisa e desenvolvimento de tecnologias limpas, deram origem a uma nova linha de pensamento e comportamento, que sugerem, ou possibilitam, o fim da relação dicotômica economia e ecologia. Mas será que, de fato, depois de todos esses acontecimentos recentes na política, na economia, nas atividades agroindustriais, entre tantos outros, estamos caminhando para um modelo direcionado ao desenvolvimento sustentável? Nas áreas urbanas e rurais?
Para quem é da área rural, pode-se per…

Comércio varejista e o desenvolvimento sustentável

*por Maurício Novaes Souza

Meio ambiente e desenvolvimento sustentável são assuntos em evidência nos dias atuais. Isso acontece em função da preocupação com os limites da exploração dos recursos naturais e da necessidade de se buscar alternativas de desenvolvimento compatíveis com a sustentabilidade do planeta. Dessa forma, a sustentabilidade é um diferencial de posicionamento e competitividade, um objetivo para qualquer tipo de empresa. Deve estar no cerne do negócio: não é preciso deixar para depois ou esperar que outras prioridades estejam resolvidas para então pensar a respeito. Os resultados e benefícios serão reais e crescentes, tanto para a empresa, como para a sociedade, numa relação onde todos se beneficiam.
Contudo, é preciso reafirmar a importância da liderança na efetividade da estratégia de sustentabilidade das empresas: se quem decide não tiver esta visão ou não estiver convencido do valor para o negócio, se o fizer sem convicção, por modismo ou in…

A insanidade do incentivo às PCH’s (Pequenas Centrais Hidrelétricas)

Por Leonardo Pereira Rezende1 e Maurício Novaes Souza2

A construção de pequenas centrais hidrelétricas (PCH’s), barragens com potência entre 1 mil kW a 30 mil kW, possui uma série de incentivos governamentais. Um dos principais a se destacar é a isenção do pagamento de royalties (compensação financeira pelo uso do recurso hídrico).
Com tanto incentivo, construir PCH’s se tornou um ótimo investimento, ainda mais quando se consegue financiamento dos governos, sobretudo federal. Tal fato tem gerado, em todo o Brasil, um número excessivo de PCH’s ao longo de nossos rios, repartindo-os, causando grandes impactos sociais e ambientais, o que tem gerado muitos questionamentos sobre os efeitos destes empreendimentos, ocasionando demandas, inclusive, no Poder Judiciário.
A exigência de estudos de impactos cumulativos tem sido um preceito acatado pelos órgãos ambientais, bem como nas decisões judiciais onde se questiona licenciamentos de empreendimentos hidrelétr…

É possível existir “Desenvolvimento Sustentável”?

*por Maurício Novaes Souza1 e Wantuelfer Fernandes Gonçalves2


A famosa revista “Veja” lançou uma edição especial, no final de 2009, intitulada “O ano zero da economia sustentável”. De fato, a revista está muito interessante e, não intencionalmente, faz um diagnóstico da sociedade atual em relação ao tema (que poderia ter o título trocado por “conhecimento zero da economia sustentável”). Além disso, conforme sugere o título, aponta que em anos recentes, principalmente as duas últimas décadas de pesquisa e desenvolvimento de tecnologias limpas, deram origem a uma nova linha de pensamento e comportamento: economia e ecologia em sociedade... Sugere desenvolvimento sustentável?
Em tempos recentes, todas as responsabilidades para reestruturação harmônica global, vêm sendo transferidas para a sociedade e as empresas. Para quem é da área rural, pode-se perceber semelhanças com a maior parte das propostas sugeridas pela revista com o modelo agrícola de substituição de in…