Desenvolvimento de mudas de quiabeiro sobre influência de diferentes tipos de substratos


Richardson Sales Rocha, Sandy Queiroz Espinoso, Ismael Lourenço de Jesus Freitas, Mauricio Novaes Souza, Wallace Luiz de Lima
IFES - Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Espírito Santo-Campus de Alegre. Alegre-ES CEP.; 29500-000, richardson_sales@hotmail.com
Resumo
O tipo de substrato é fundamental para que haja mudas de boa qualidade. De acordo com Spurr & Barnes (1982), exerce uma influência marcante na arquitetura do sistema radicular e no estado nutricional das plantas, afetando profundamente a qualidade das mudas (Carneiro, 1983). Deste modo, o objetivo desse trabalho é analisar o desenvolvimento do quiabeiro, sob a influência de diferentes substratos agroecológicos. Foram analisados os seguintes parâmetros: Diâmetro de copa (DC), número de folhas (NF), comprimento da parte aérea (CPA), peso da matéria fresca da parte área (PMFA), peso da matéria seca da parte aérea (PMSA), comprimento da parte radicular (CPR), peso da matéria fresca do sistema radicular (PMFR) e peso da matéria seca do sistema radicular (PMSR). Foram utilizados como substrato: pó de rocha (PR), composto orgânico (CO) e substrato comercial (SC), nas proporções: T1-5%PR+95%CO, T2-10%PR+90%CO, T3-15%PR+85%CO, T4-25%PR+75%CO, T5-35%PR+65%CO, T6-50%PR+50%CO, T7-75%PR+25%CO, T8-100%CO, T9-100%PR, T-10-100%SC. As médias foram comparadas pelo Teste de Tukey ao nível de 5% de probabilidade. Os resultados obtidos foram: (DC), Cm2 Média geral 2.4740000 e CV (%) = 19.14,  (NF), Média geral 3.5166667 e CV (%) = 23.73, (CPA), Cm2 Média geral 11.4916667 e CV(%) = 100.97, (CPR), Cm2 Média geral 8.9000000 e CV(%) =33.11, PMFPA, (g) Média geral 2.0351083 e CV (%) =17.98, (PMFPR), (g) Média geral 1.6413267 e CV (%) = 18.71, (PMSPA), (g) Média geral 1.2971600 e CV (%) = 16.91, (PMSPR), (g) Média geral 1.2107000 e CV (%) = 16.88. Proporcionalmente, o tratamento cinco apresentou as menores médias para as variáveis analisadas.

Palavras-chaves: Quiabo, substrato, desenvolvimento.

Referências

CARNEIRO, J. G. A. Variações na metodologia de produções de mudas florestais afetam os parâmetros morfo-fisiológicos que indicam a sua qualidade. Série Técnica FUPEP, v.12, p.1-40, 1983.

COSTA, M. C. B.; OLIVEIRA, G. D.; HAAG, H. P. Nutrição mineral de hortaliças - Efeito da omissão dos macronutrientes e do boro, no desenvolvimento e na composição química de hortaliças. In: HAAG, H. P.; MINAMI, K. Nutrição mineral em hortaliças. Campinas: Fundação Cargil, 1981. cap.6, p.257-276.

SPURR, S. H.; BARNES, B. V. Ecologia florestal. México: AGT, 1982.


Comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Resenha: Sapiens - uma breve história da humanidade

O QUE É GESTÃO DE RESÍDUOS SÓLIDOS E QUAL A RELAÇÃO COM O TÉCNICO DE SEGURANÇA DO TRABALHO?